Prefeitos da RMC antecipam reunião para discutir medidas mais duras para conter o avanço da Ômicron

Encontro foi antecipado para esta segunda-feira (17), em Campinas; prefeitos também vão escolher o novo presidente e vice do Conselho

Os 20 prefeitos que integram o CD (Conselho de Desenvolvimento) da RMC (Região Metropolitana de Campinas) se reúnem nesta segunda-feira (17h), às 9h, para discutir medidas mais duras para conter o avanço da variante Ômicron na região, que tem aumentado a taxa de ocupação de leitos de enfermaria e de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) na região. Além de estudarem alternativas para conter o surto de Influenza H3N2, que também tem contribuído para superlotar os Pronto-Socorros na região.
O diretor executivo da Agemcamp (Agência Metropolitana de Campinas), Odair Dias, informou que resolveu antecipar a reunião dos prefeitos para tratar prioritariamente da Ômicron e do aumento dos casos de H3N2, para tomar medidas de forma colegiada.
Odair explicou que cada prefeito vai expor a situação epidemiológica nos municípios e, depois, os chefes dos executivos chegam em um consenso. “O resultado pode ser restrições maiores, ações consorciadas. Então, vai ser o substrato que cada um levar para essa discussão”, explicou Odair.
A reunião está marcada para 9h no Hotel Meliá, no Cambuí, em Campinas. Um representante da Secretaria de Saúde do Estado vai fazer uma explanação com dados técnicos e científicos sobre a contaminação, proliferação e expectativas a respeito da nova variante e do surto de gripe.
Depois os prefeitos vão discutir medidas emergenciais de abrangência metropolitana de combate a essa nova cepa do novo coronavírus, que é mais facilmente transmissível. Tanto, que, o mundo registrou 3,23 milhões de casos de coronavírus em 24 horas no último dia 11. Dados da Fundação Seade (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados), atualizados nesta quinta-feira (13), apontam que a Região de Campinas totaliza 515.453 casos de Covid-19 desde o início da pandemia, com variação semanal de 143% de novos casos. A proporção de casos chegou a 112,3 por grupo de 100 mil habitantes, nos últimos 14 dias. O total de óbitos confirmados chegou a 15.086, com variação semanal de 166,7%. A média móvel de casos nesta quinta-feira chegou a 513, praticamente seis vezes mais do que o ritmo de casos positivos registrado na semana anterior, encerrada em 31 de dezembro do ano passado, quando a média móvel havia atingido o patamar de 84.
Além disso, foram registradas 1.151 novas internações de pacientes suspeitos e confirmados com Covid-19 na região, uma variação semanal de 53,4%. A ocupação dos leitos de UTI chegou a 45,1% na enfermeira e 41,2% nas UTIs na região de Campinas, segundo o último balanço da Fundação Seade. Houve um aumento de 11,4 pontos percentuais sobre a taxa de ocupação do dia anterior (12), nos leitos de enfermaria (33,7% no dia 12), e 16,7 pontos percentuais nos leitos de UTI (34,5% no dia 12).
Outros assuntos estão em pauta, como eleição do presidente e vice-presidente do CD-RMC para o mandato 2022; apresentação e deliberação do projeto e manual de instruções do Centro de Operações de Emergência da Defesa Civil pelo diretor da Defesa Civil de Campinas, Sidnei Furtado; e dissídios dos servidores públicos municipais.

Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2022

Veja Também

Prefeitura de Hortolândia e HES têm divergências sobre a morte de bebê

Menino teve febre alta, convulsão e parada cardíaca, o que segundo o hospital, teriam resultado ...