Chuvas de maio ficam 58% abaixo da média em Sumaré

O mês de maio chegou ao fim e, novamente, as chuvas ficaram abaixo da média em Sumaré. De acordo com dados da rede pluviométrica do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), responsável por medir o volume de chuvas em todo o Estado de São Paulo, e de equipamentos instalados pela BRK Ambiental em suas captações, o volume médio esperado para o mês é de 50 milímetros. Porém, neste ano, a precipitação registrada foi de apenas 21 milímetros, volume 58% inferior ao esperado para o mês de maio.
Desde o início do ano, Sumaré tem o registro de 428 milímetros de chuva. Esse volume é 32% inferior ao registrado no ano passado, quando os cinco primeiros meses do ano acumularam 626 milímetros. É o mais baixo volume de chuvas registrado na cidade em toda a série histórica, iniciada em 2013. O acumulado dos cinco primeiros meses do ano chega a ser inferior ao de 2014, ano da pior crise hídrica vivenciada pela região Sudeste. Naquele ano, o volume acumulado de janeiro a maio foi de 513 milímetros de chuva.
“Com a redução das chuvas, os níveis dos nossos mananciais estão abaixo do esperado para esse período do ano. E, embora o abastecimento ainda ocorra regulamente, o município, assim como toda a região, se encontra em estado de alerta”, explica a gerente de operações da BRK Ambiental em Sumaré, Rafaella Lange.
O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ) emitiu um novo alerta em 30 de maio, reforçando a intensificação da estiagem de 2021, que vem se apresentando bastante severa e refletindo diretamente no comportamento dos mananciais. A entidade apresenta ainda que, nos próximos meses, as chuvas historicamente começam a ocorrer em menor volume na região das Bacias PCJ, onde Sumaré está inserida, atingindo o ápice do período seco de estiagem entre os meses de agosto e setembro, com grande redução da capacidade de recuperação dos reservatórios.

PLANO DE CONTINGÊNCIA
Diante do cenário de alerta e da condição crítica de estiagem, a BRK Ambiental adotou um plano de contingência para enfrentamento da estiagem no município. As ações vão desde a substituição de redes e combate a vazamentos até investimentos em adoção de novos processos para a garantia da qualidade da água distribuída à população.

Terça-feira, 8 de Junho de 2021

Veja Também

Medidas protetivas contra violência doméstica crescem 65,4% na região

De acordo com o Tribunal de Justiça, foram 379 pedidos entre janeiro e maio de ...