Comércio da RMC deve faturar 14% a mais do que em 2020, aponta Acic

Estimativa foi feita pela Acic, considerando a flexibilização autorizada pelo Governo do Estado; vendas pela internet terão expansão de até 25,5%

A movimentação financeira nas vendas físicas relativa ao Dia das Mães, na RMC (Região Metropolitana de Campinas), deverá ser de R$ 211,5 milhões, 14% acima dos R$ 185,5 faturados na data, em 2020. Já as vendas digitais deverão se expandir em 25,5% sobre R$ 157,3 milhões de 2020 registrados no ano passado, atingindo R$ 197,4 milhões. No ano passado, o Dia das Mães apresentou uma perda de 54,2% em relação ao mesmo período de 2019.
Na avaliação do economista da Acic (Associação Comercial e Industrial de Campinas), Laerte Martins, considerando o achatamento do poder de compra devido à pandemia do coronavírus, o valor médio do presente é estimado em R$ 240, uma expansão de 4,35% sobre o valor de R$ 230,00 gastos em 2020. Os segmentos mais procurados nas vendas físicas devem ser, principalmente, perfumarias, vestuários, calçados e floriculturas. Nas vendas digitais, a preferência aponta para os eletroeletrônicos, celulares e notebooks.
Ainda na fase emergencial, na semana de 11 a 17 de abril, o faturamento médio no comércio de Campinas foi de 16,3 milhões por dia, enquanto na fase de transição, de 19 a 26 de abril (que incluiu a abertura de outras atividades, como salões de beleza, academias etc.) o valor diário atingiu R$ 19,1 milhões, o que representa 17% de aumento no volume de venda.
Segundo o economista Laerte Martins, a alteração do horário no comércio deve agregar um aumento de 1,5% nas vendas atuais. Em uma situação normal o faturamento do comércio varia de R$ 36 milhões a R$ 37 milhões por dia.

EXPANSÃO DO E-COMMERCE
O uso dos cartões de crédito como forma de pagamento cresceu 14,5%, no período de março de 2020 a março de 2021, em Campinas, e já representa 47,5% no embolso de produtos e serviços. De acordo com a avaliação feita pelo diretor do Departamento de Economia da Acic, Laerte Martins, com base nos dados da Associação Brasileira de Cartões de Crédito, o volume de vendas com essa modalidade de pagamento, nesse período da pandemia, deve-se, principalmente, à expansão do e-commerce.
Com os estabelecimentos do chamado comércio não essencial fechados, o e-commerce foi a solução para os empresários. De acordo com os dados da Boa Vista – SCPC, as vendas digitais atingiram R$ 80,3 milhões em março de 2021, representando um crescimento de 28,5% na comparação com março de 2020, que teve faturamento de R$ 62,5 milhões.
No geral, porém, o faturamento apresentado pelo setor em março de 2021 mostrou uma redução de 2,91% em relação a março de 2020, e de 21,16% na comparação com fevereiro de 2021. Em segundo lugar aparecem os boletos e as transferências bancárias (DOCs), que representam 29,5%, e os carnês, 9%. As demais formas de pagamento, como cheques e notas promissórias, entre outras, somam 14%.

Terça-feira, 4 de Maio de 2021

Veja Também

Willian questiona atraso no repasse de recursos para ONGs de Sumaré

O presidente da Câmara de Sumaré, Willian Souza (PT), cobrou informações sobre o atraso no ...