Com faturamentos em queda, comerciantes tentam sobreviver à crise

Após um ano de quarentena, lojistas de Sumaré relatam o que têm feito para não sucumbir à pandemia, que avança dia a dia no país

Dona de uma loja de roupas e acessórios no Centro de Sumaré, a comerciante Gleine Miranda, como a maioria dos empreendedores brasileiros, teve que se reinventar para manter seu negócio de mais de 30 anos de pé. Neste mês, o retrocesso à fase vermelha e a instalação da fase emergencial fizeram seu faturamento cair 80%. Na semana em que a quarentena em São Paulo completou um ano, a reportagem do jornal Tribuna Liberal ouviu lojistas da cidade, que veem o faturamento despencar a cada medida anunciada pelo Governo do Estado para tentar controlar a disseminação do novo coronavírus.
Gleine não perdeu tempo. Assim que o governo estadual mandou fechar o comércio, no ano passado, iniciou a transição de sua loja para a plataforma virtual. “Quando veio a determinação, fechamos a loja. Ficamos 100 dias fechados e pagando os funcionários em dia. Nesse tempo, criamos um site, cadastramos os produtos e intensificamos as ofertas pelas redes sociais e WhatsApp”, conta a comerciante.
No entanto, todo esforço dela e de suas cinco funcionárias não foi recompensado. “Inicialmente, ficávamos na loja o dia todo, tentando vender pelo WhatsApp e aguardando os pedidos feitos pelo site. Mais o volume de vendas era muito pequeno, fazíamos duas ou três vendas por dia, o que não era suficiente para pagar as despesas”, relata.
A reabertura da loja, em junho do ano passado, com a vigência da fase laranja do Plano São Paulo, foi um alento. No entanto, um novo pico de Covid-19 em 2021 voltou a abalar as vendas. “O começo do ano passado não foi muito bom. Este está ainda pior. Nos dois primeiros meses deste ano, nossas vendas caíram 30%”, calcula a empreendedora.
Com as portas fechadas mais uma vez e tentando conquistar clientes que navegam pela internet, Gleine aguarda o fim da fase emergencial – em princípio, agora previsto para 11 de abril – para reabrir a loja. “Está muito difícil. Parece que tudo que a gente faz ainda é pouco. A gente está trabalhando mais do que nunca para vender muito pouco”, diz ela.
Carla Paiva trabalha com artesanato. Com o fechamento das feiras livres e a suspensão de eventos, ela viu a renda cair 60%. Para sobreviver, tem usado suas redes de contato, as mídias sociais e apostado no delivery. Embora reconheça a importância do isolamento social, ela critica a ação do governo. “Entendo a pandemia, mas esse endurecimento sem alternativas para nos auxiliar no pagamento das contas fica bem complicado”, argumenta.
Abner Marcondes Lucio também ampliou a vitrine de sua loja de sapatos na internet. O comerciante tem usado “lives” (transmissões ao vivo) para fisgar os clientes. Suas vendas despencaram 40% de janeiro até agora, na comparação com o ano passado.
O comerciante não vê o fechamento como solução para a pandemia. “Proibir as atividades como está sendo feito pode gerar situações extremamente complexas e talvez irreparáveis. Tão irreparáveis quanto aqueles que partiram. É preciso encontrar equilíbrio, acelerar a vacinação e exigir que todos cumpram as medidas de segurança”, defende ele.

Domingo, 28 de Março de 2021

Veja Também

Sumaré arrecada 8,5 toneladas de alimentos na 3ª ‘Conexão Solidária’

Monte Mor, Hortolândia e Nova Odessa conseguiram arrecadar, respectivamente, 4,9 mil, 2,3 mil e 2,2 ...