Marcelo Tomateiro morre aos 48 anos por complicações decorrentes da Covid

Referência no mundo do rodeio, na produção de tomate e no ramo imobiliário, empresário faleceu domingo, em um hospital de Jaguariúna

O empresário do ramo de exportação de tomates, tropeiro, que foi presidente do Sumaré Rodeo Festival e fundador da MI Imóveis de Sumaré, Marcelo Messias, Marcelo Tomateiro, morreu no domingo (28), aos 48 anos, em um hospital de Jaguariúna, em decorrência de complicações da Covid-19.
Segundo a família, ele sentiu os primeiros sintomas na segunda-feira (15). Teve várias idas e vindas para atendimentos médicos, quando começou o tratamento, mas seu quadro se agravou na segunda (22), com falta de ar. No dia seguinte, foi internado na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Jardim Macarenko e, na quarta (24) foi transferido para Jaguariúna, onde foi intubado. Sua situação ficou complicada, pois a infecção atingiu o pulmão e rins. Precisou de hemodiálise, mas teve infecção hospitalar. Fez um tratamento mais agressivo com antibióticos, mas não resistiu. O velório durou apenas 30 minutos, e o sepultamento ocorreu às 16h30 de domingo, no Cemitério Municipal de Sumaré.
Sua enteada, Vitória Caroline Cia, também manifestou os sintomas da doença no mesmo dia. Teve dor de cabeça, mal-estar, cansaço, ânsia, diarreia e falta de ar, mas conseguiu se recuperar. A esposa de Tomateiro, Janine Cia, teve sintomas leves e o filho do casal, Murilo Cia Messias, de 13 anos, foi positivado, mas foi assintomático.
“Acreditamos que ele pegou após uma reunião na imobiliária, pois a pessoa com quem ele esteve também está com a doença e intubada. Naquela ocasião, ela também não sabia que estava doente. Meu pai tomava todos os cuidados, sempre com álcool em gel, usava máscara e nem gostava de cumprimentar os parentes nessa época, mas, infelizmente, não foi suficiente. Ele tinha pressão alta e obesidade”, contou Vitória.
A enteada de Tomateiro e hoje a gestora da imobiliária da família disse que desde sempre ela foi preparada para tomar conta do novo negócio da família. “A gente não entende os planos de Deus, mas, desde o início, ele sempre me preparou e disse que a empresa era minha e ele estava ao meu lado apenas para ajudar. Perdi minha grande referência de honestidade e trabalho. Ele tinha um coração maior do que ele. Filho de carroceiro e dona de casa, venceu na vida com muito trabalho, mas sempre manteve sua humildade”, desabafou Vitória.
A esposa de Tomateiro não teve condições de falar no momento, mas deixou uma mensagem em seu perfil no Facebook “Ele se foi! Meu amigo, meu amor, meu parceiro. Amor além da vida! Deus te receba Marcelo Tomateiro Messias com muita luz!”

Um visionário apaixonado pelo mundo dos rodeios
Entre todas as suas atividades, era no mundo dos rodeios que Tomateiro foi sua grande referência em Sumaré. Organizou o Sumaré Rodeo Festival de 2001 a 2012. Trouxe grandes nomes da música sertaneja para a cidade e até o prêmio da PBR (Federação Internacional de Rodeio) “Arena de Ouro”, como a primeira festa do Brasil com arena coberta, em 2005. “Ele sempre foi um visionário em tudo o que fez. Tomateiro superou grandes festas como a de Barretos, nessa questão, pois dizia que a festa não era só para camarotes. Praça de alimentação, arquibancadas e outros espaços passaram a ter áreas cobertas. Na época, o rodeio de Sumaré foi considerado como revelação”, disse Vitória.
O fotógrafo Edson Donizeti trabalhou na edição de 2004 da festa. “Tomateiro sempre teve um grande coração. Era amante de rodeio e sempre elevou o nome de Sumaré, principalmente no mundo do rodeio”, afirmou Donizeti.
O locutor de rodeio Jorge Moises gravou um vídeo nas redes sociais sobre a morte de Tomateiro. “Nós perdemos um grande amigo, tropeiro, empresário, pessoa maravilhosa. Foi mais uma vítima da Covid. Marcelo, você foi embora, morar perto de Deus. Ele sabe o que faz, descansa em paz. Que Deus e Nossa Senhora Aparecida te coloquem em bom lugar. Você sempre foi uma pessoa de bem, sempre preocupado com a imagem de Sumaré para o Brasil com a sua boiada. Lembro do touro Copo de Leite, um dos touros mais duros que o Brasil já teve entre os tropeiros. Sumaré, Brasil e o mundo do rodeio estão em luto!”

Terça-feira, 2 de Março de 2021

Veja Também

Hortolândia recebeu 2,3 mil quilos em doações

Hortolândia arrecadou 2,35 toneladas de alimentos na terceira edição da iniciativa. A coleta dos mantimentos ...