Alunos da rede estadual têm merenda mesmo sem aulas presenciais

“Nossas escolas estão abertas, com equipes para acolher nossos estudantes e ofertar alimento a eles”, destaca secretário estadual

As 5,3 mil escolas da rede estadual de São Paulo estão disponíveis para o fornecimento de merenda escolar para os alunos em situação de vulnerabilidade social. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, a possibilidade ocorre desde o dia 1º de fevereiro, uma semana antes do início do ano letivo, e segue sendo válida.
Os alunos que não estão tendo aulas presenciais, por conta do rodízio necessário exigido pelo Plano SP, podem ir até a escola para se alimentar, e depois retornar para a casa.
As famílias que tiverem possibilidade devem manifestar interesse dos alunos nas refeições pelo portal da SED (Secretaria Escolar Digital) – https://sed.educacao.sp.gov.br. Caso tenham dificuldade de acesso, pais, responsáveis ou alunos com mais de 18 anos podem procurar a escola para auxiliá-los.
“A merenda escolar, neste cenário de pandemia, tem sido fundamental para milhares de crianças e jovens. Nossas escolas estão abertas, com equipes para acolher nossos estudantes e ofertar esse alimento a eles”, destaca o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares.
As escolas também farão um trabalho de busca ativa para contatar as famílias que precisam do benefício. Cerca de 60% dos alunos da rede estadual se alimentam na escola.
Com a suspensão das atividades presenciais nas unidades no ano passado, por conta da pandemia do coronavírus, o Governo do Estado implementou o programa Merenda em Casa.
Com objetivo de garantir a segurança alimentar dos alunos mais vulneráveis, mais de 770 mil alunos receberam por nove meses um auxílio no valor de R$ 55. Ao longo deste período, foram investidos mais de R$ 345 milhões no pagamento do benefício.
O investimento para garantir a merenda a todos os alunos da rede é de R$ 1,167 bilhão, sendo R$ 900 milhões do Governo de São Paulo e o restante por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).
Aproximadamente 3,3 milhões de alunos receberam autorização do Governo do Estado para retomarem as aulas presenciais a partir da última segunda-feira (8). O retorno está ocorrendo em sistema de rodízio em 4,5 mil das 5,3 mil escolas da rede estadual de São Paulo. Os alunos que não puderem acompanhar as aulas nas escolas devem fazê-las remotamente no Centro de Mídias da Educação de São Paulo.
O Governo do Estado autorizou a abertura das unidades escolares mesmo nas fases mais restritivas do Plano São Paulo, colocando a Educação como serviço essencial no Estado. A decisão é baseada em experiências internacionais para garantir a segurança dos alunos e professores, bem como o desenvolvimento cognitivo e socioemocional das crianças e adolescentes.
O retorno presencial, entretanto, é gradual e está condicionado à autorização das prefeituras. Mesmo nos municípios autorizados, a presença dos alunos nas escolas não é obrigatória nas regiões que estejam na fase vermelha, laranja ou amarela do Plano São Paulo, mas as escolas poderão permanecer abertas e com atividades nessas etapas.

Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2021

Veja Também

Estado cria duas novas salas para ensino noturno

O dirigente regional de Ensino de Americana, Haroldo Ramos Teixeira, esteve na sessão da Câmara ...