Medo de ir a hospital durante a pandemia pode agravar problemas sérios de saúde

Em 2020, o número de mortes em casas, registradas no estado de São Paulo, aumentou 15,3%

O recente aumento de casos de Covid-19 em nosso país pode desencadear um outro problema: casos de urgência e emergência cirúrgicas que chegam em situação mais grave aos hospitais. Isso acontece porque as pessoas têm medo de se contaminarem em ambiente hospitalar e adiam a ida ao médico quando começam a sentir os primeiros sintomas. Essa atitude pode dificultar o tratamento e colocar a vida do paciente em risco.
Dados do Portal da Transparência https://transparencia.registrocivil.org.br/inicio, plataforma administrada pela Arpen-Brasil (Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais), mostra que o número de mortes que aconteceram em casa, no estado de São Paulo, cresceu 15,3% em 2020, comparado com o ano de 2019. E um dos motivos é o receio de ir ao hospital. (Veja abaixo).
O cirurgião de urgência, emergência e trauma Bruno Pereira, CEO do Grupo Surgical, responsável por este tipo de atendimento em oito hospitais de Campinas, Valinhos e Vinhedo, conta que nos meses em que a pandemia ficou mais crítica, houve um aumento de casos cirúrgicos mais graves nas urgências e emergências. “As pessoas demoravam mais para buscar o hospital. Em muitos casos, essa demora pode ser bem significativa, aumentando os riscos para o paciente”, explica. “Nossa preocupação é que com o aumento dos casos de Covid-19, isso volte a se repetir. É importante que o paciente entenda que a prevenção em ambiente hospitalar é grande, estamos tomando muitos cuidados para evitar a contaminação. Portanto, é muito mais arriscado ele protelar a ida a um pronto-socorro, se apresentar algum sintoma de doenças que podem ser graves ou se agravar com a demora”, afirma.
De acordo com Pereira, é fundamental que o paciente procure um hospital ao sentir alguns sintomas, como mudança no hábito intestinal, que pode ser tanto constipação quanto diarreia, dor abdominal insistente, cólica forte, sangramento ou escurecimento das fezes, vômito com sangue, falta de apetite, náusea e dor abdominal migratória.

Domingo, 24 de Janeiro de 2021

Veja Também

Marcelo Tomateiro morre aos 48 anos por complicações decorrentes da Covid

Referência no mundo do rodeio, na produção de tomate e no ramo imobiliário, empresário faleceu ...