Chuva provoca estragos na região

Devido a grande intensidade de chuva, houve queda de árvores e muros, além de várias ruas alagadas

A chuva que atingiu a região na noite de terça-feira (12/01) provocou diversos estragos em Sumaré, Hortolândia, Monte Mor e Nova Odessa. Ruas ficaram alagadas e houve queda de árvores e de muros. A água chegou a invadir algumas casas.
Em Hortolândia, de acordo com informações divulgadas pela prefeitura no final da tarde de ontem, nas últimas 24h foram registrados 101mm de chuva. Duas árvores e dois muros caíram na cidade. Em Nova Odessa houve pontos de alagamentos nos bairros Jardim São Jorge, Vila Azenha, Jardim Flórida, Jardim Conceição e Jardim Fadel. Apenas uma moradora, do Jardim Flórida, teve que ser removida por estar grávida e acamada, sendo encaminhada para o Hospital Municipal por equipes da Saúde, com apoio da Defesa Civil Municipal.
De acordo com informações do secretário-adjunto de Desenvolvimento Econômico e Social, Rafael Brochi, os alagamentos chegaram a atingir outras residências, mas até ontem não havia registro de desabrigados no município. Os moradores das casas afetadas receberam kits de higiene e limpeza, com água sanitária e desinfetante.
Em Sumaré, somente na noite da terça-feira foram registrados 55 mm, o equivalente a dois dias de chuva, resultando em pontos de alagamento nas áreas baixas dos bairros Primavera, Basllicata e também no Três Pontes. A Defesa Civil e os Bombeiros atenderam a uma ocorrência de deslizamento de terra na Rua Chapecó, região do Salerno, mas sem vítimas. Não houve registro de famílias desalojadas ou desabrigadas.
De acordo com informações da prefeitura de Sumaré, as equipes da Defesa Civil e Corpo de Bombeiros de Sumaré orientaram a população, em especial aos moradores que residem em áreas historicamente afetadas pelas cheias do Ribeirão Quilombo, sobre os riscos de fortes chuvas, tendo em vista a previsão da Defesa Civil Estadual de um grande volume de precipitações nos próximos dias.
“A Defesa Civil mantém o estado de alerta, realizando o monitoramento de forma ininterrupta do nível do Ribeirão Quilombo e as vistorias preventivas nas residências, além de seguir com o trabalho de orientação junto aos moradores de áreas de risco para inundações”, explicou o superintendente da Defesa Civil de Sumaré, Demetrio Mateus Moreira. Em caso de emergências, a população deve entrar em contato com a Defesa Civil de Sumaré pelo telefone 193 (atendimento 24 horas).

PREVENÇÃO
Entre as ações da administração municipal visando o período mais chuvoso do ano, que requer atenção redobrada, foi criada em dezembro do ano passado a ‘Operação Verão 2020/2021’, que acontece até o dia 31 de março e envolve a participação de todas as secretarias municipais. Estão previstos plantão de atendimento 24 horas – podendo ser antecipada e/ou prorrogada se for necessário conforme as condições meteorológicas.
Preocupada com esse problema, a administração municipal realiza, desde 2017, o desassoreamento e limpeza nos rios que cortam a cidade – Quilombo e Tijuco Preto – priorizando os principais pontos de alagamento. Essas regiões, historicamente afetadas pelas cheias do Ribeirão Quilombo nos períodos mais chuvosos do ano, vêm recebendo atenção especial da Prefeitura de Sumaré nos últimos anos. Cerca de 5 quilômetros de extensão do ribeirão já recebeu os serviços de limpeza, com a utilização de maquinário para retirada dos sedimentos acumulados na calha do rio, numa força-tarefa realizada pelas equipes da Secretaria Municipal de Serviços Públicos.
“Esse pacote de medidas preventivas visa auxiliar a atuação do município de forma antecipada nas ocorrências que venham a atingir a cidade, permitindo a garantia da integridade física e moral da nossa população e a preservação do patrimônio público e privado”, finalizou o prefeito Luiz Dalben.

Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2021

Veja Também

Vacina: esperança e polêmica

O Brasil vive uma grande expectativa com relação ao início da vacinação contra a Covid-19. ...