Contra a Covid-19, Sumaré reforça as orientações sobre as normas sanitárias

Durante a ação, equipes da GCM, do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil vão orientar a população e comerciantes de todas as regiões

U m d i a após ser colocada em “estado de atenção” devido ao aumento de casos e internações por Covid-19, ao lado de outras 61 cidades do Estado, a Prefeitura de Sumaré realizou na quarta-feira (02/12) mais uma ação de conscientização sobre a importância de seguir as medidas sanitárias para evitar a disseminação do novo coronavírus. Equipes da GCM (Guarda Civil Municipal), do Corpo de Bombeiros Municipal e da Defesa Civil da cidade percorreram as principais vias da região central, orientando a população e comerciantes.
Os munícipes foram orientados sobre o uso correto da máscara de proteção individual, higienização do corpo e superfícies e distanciamento social. Essas orientações seguem determinação de decreto do Governo do Estado, visando prevenir e conter a propagação de infecção e transmissão local do coronavírus. Todas as regiões da cidade recebem a ação.
“Sumaré trabalha para preservar a saúde dos munícipes, porém, é imprescindível que todos tenham consciência dessas regras e sigam as normas sanitárias e de proteção previstas nos decretos Estadual e Municipal para que possamos combater a disseminação do novo coronavírus, barrando o aumento de casos na cidade e em toda a nossa região”, explicou o prefeito Luiz Dalben (Cidadania).
“Todos nós estamos enfrentando um momento muito difícil e precisamos estar juntos para vencer essa batalha. À população, continua o nosso apelo: saia de casa apenas em casos extremos. Vamos preservar a nossa saúde e a do próximo”, completou o chefe do Executivo Municipal.

‘FASE AMARELA’
Na última segunda-feira (30/11), o Governo estadual colocou todo o Estado na “fase amarela” do Plano São Paulo de Flexibilização Econômica. A medida entrou em vigência na quarta-feira (02/12) e prossegue valendo até pelo menos o próximo dia 04 de janeiro. Com a medida, seis regiões que estavam na “fase verde”, a menos restritiva – entre elas a capital paulista e a de Campinas – regrediram e voltaram a reduzir o funcionamento de comércios e serviços. As demais 11 regiões, que permaneciam na “fase amarela”, não avançaram e seguem no mesmo estágio.
“Com o claro aumento da instabilidade da pandemia, o Governo do Estado e o Centro de Contingência da Covid-19, decidiram que 100% do Estado vai retornar para a Fase Amarela do Plano SP. Essa medida, quero deixar claro, não fecha Comércio, nem bares, nem restaurantes. A Fase Amarela não fecha atividades econômicas, mas é mais restritiva nas medidas para evitar aglomerações e o aumento do contágio da Covid-19”, disse na oportunidade o governador João Doria (PSDB).
O que muda no retrocesso da fase verde para amarela: estabelecimentos de todos os setores ficam com capacidade limitada a 40%, funcionamento máximo de 10 horas por dia e com horário de funcionamento limitado até as 22h; eventos com público em pé passam a ser proibidos; cinemas, teatros e museus podem permanecer abertos, no entanto, as prefeituras têm autonomia para decidir o que e quando deve reabrir.
Na “fase amarela”, também é permitida a abertura de instituições de Ensino públicas e privadas do Estado, mas sempre conforme a decisão das prefeituras.
O governador também anunciou que o tempo de análise de dados deixará de ser a cada 28 dias e passará a ser a cada 7 dias. No entanto, a próxima reclassificação ordinária está agendada para o dia 04 de janeiro de 2021. “O Centro de Contingência decidiu também diminuir o tempo de análise de dados de 28 em 28 dias, para 7 em 7 dias, como já fez anteriormente. É uma medida de prudência que estamos tomando para retomar o controle da pandemia”, disse Doria na ocasião.

Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2020

Veja Também

Medo de ir a hospital durante a pandemia pode agravar problemas sérios de saúde

Em 2020, o número de mortes em casas, registradas no estado de São Paulo, aumentou ...