CoronaVac produz anticorpos em 97% dos participantes dos testes

Coordenados pelo Instituto Butantan, estudos clínicos seguem em andamento no Brasil e envolvem 13 mil profissionais de Saúde

Na noite da última terça-feira (17/11), os resultados dos estudos clínicos da CoronaVac, vacina em desenvolvimento pela parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac Life Science, foram publicados pela revista científica Lancet Infectious Diseases. A publicação mostra que a vacina é segura e tem capacidade de produzir resposta imune no organismo 28 dias após sua aplicação em 97% dos voluntários vacinados.
“Os resultados publicados na Lancet, que contam com a revisão de diversos cientistas, são mais um passo importante para o desenvolvimento da vacina, que está em fase 3 de testes em diversas regiões do Brasil desde julho deste ano”, salientou o Governo de São Paulo.
As fases 1 e 2 reuniram 744 voluntários na China, com idades entre 18 e 59 anos. Os dados mostraram que as reações adversas foram leves e nenhum efeito adverso sério relacionado à vacina foi identificado. A reação mais comum foi dor no local da aplicação. A taxa de soroconversão entre os voluntários que receberam a vacina, ou seja, produção de anticorpos, ficou acima dos 90%.
O novo artigo científico apresenta dados que já eram de conhecimento do Instituto Butantan e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), uma vez que a partir deles foi possível aprovar o uso emergencial em mais de 50 mil pessoas na China e a realização do estudo de fase 3 no Brasil.
Em fase final de estudos no Brasil, a CoronaVac é considerada uma das vacinas mais promissoras no mundo, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), e vem sendo testada em sete estados brasileiros, além do Distrito Federal.
Coordenado pelo Instituto Butantan, os testes envolvem 13 mil profissionais de Saúde em 16 centros de pesquisa de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Até o momento, mais de 10 mil pessoas já receberam ao menos uma das duas doses da vacina ou placebo.
Para determinar a eficácia da CoronaVac, é preciso que 151 participantes que receberam a substância sejam contaminados pelo coronavírus. A partir desta amostragem, haverá a comparação com o total dos que receberam a vacina e, eventualmente, também tenham diagnóstico positivo de Covid-19. Se o imunizante atingir os índices necessários de eficácia e segurança, deverá ser submetido pelo Governo do Estado à avaliação da Anvisa para registro e posterior uso em campanhas de imunização contra o coronavírus.

OUTRAS VACINAS
Também nesta semana, a Pfizer informou que os resultados finais do teste de estágio avançado (fase 3) de sua vacina para Covid-19 mostram que o imunizante é 95% eficaz, e que por isso solicitaria autorização para uso emergencial nos Estados Unidos em alguns dias. A farmacêutica afirmou ainda que a eficácia da vacina desenvolvida em parceira com alemã BioNTech SE “foi consistente em dados demográficos de idade e etnia, e que não houve efeitos colaterais importantes”.
A concorrente Moderna também divulgou dados preliminares para sua vacina, mostrando eficácia semelhante. Os dados melhores do que o esperado para as duas vacinas, ambas desenvolvidas com a nova tecnologia conhecida como RNA mensageiro (mRNA), aumentaram as esperanças dos cientistas.
A quarta vacina sendo desenvolvida no país é a da AstraZeneca/Oxford, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz – que ainda não teve sua eficácia divulgada. Neste caso, o Governo Federal já oficializou interesse na aquisição, por R$ 1,9 bilhão. Por fim, existe um acordo do Governo do Paraná com a vacina Sputnik V, do Instituto Gamaleya, da Rússia.

Quinta-feira, 19 de Novembro de 2020

Veja Também

Hospital de Paulínia faz campanha de doação de sangue nesta quarta-feira

Direção ressalta que serão tomadas medidas de contenção para evitar aglomerações; uso de máscara é ...