Indústria paulista está otimista com faturamento e retomada da Economia

Apesar da preocupação com custos causados pela escassez de insumos, empresas confiam na recuperação econômica

Após o forte impacto da Covid-19 na Economia, a pesquisa “Rumos – Otimismo na Indústria Paulista”, realizada pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), mostra que os industriais paulistas veem de forma positiva o fim de 2020 – e ainda melhor o ano de 2021. O maior nível de otimismo está no faturamento das empresas (que passa de 57,8% em 2020 para 65,7% em 2021) e na Economia nacional (salta de 37,5% em 2020 para 51,9% em 2021).
“Os resultados refletem a confiança das indústrias de São Paulo na recuperação da Economia”, apontou a entidade de classe ao divulgar o resultado do levantamento de “humor” do setor.
De acordo com a pesquisa, os entrevistados veem significativa melhora no emprego no próximo ano. Até o fim de 2020, 40,4% das empresas questionadas se disseram otimistas nesse item e, para 2021, o percentual subiu para 50%. Em relação à Economia paulista, o sentimento é o mesmo: a visão otimista passa de 29,5% para 45,2%. A avaliação sobre endividamento não muda muito: a maioria (55,8%) se disse neutro sobre este ponto em 2020 e 52,2% mantêm esta opinião para em 2021.

MATÉRIA PRIMA
Já em relação ao preço dos insumos e dos custos, o sentimento predominante é negativo, embora haja redução do pessimismo para o ano que vem. Até o fim deste 2020, 90,1% dos industriais se disseram pessimistas no item preço dos insumos, e 86,3% no quesito custos. Quando opinam sobre 2021, o grau de pessimismo dos empresários cai para 65,7% (preço dos insumos) e 65,2% (custos).
Por fim, os industriais também acreditam que em 2021 as chances de que uma vacina contra Covid-19 seja distribuída ou que a pandemia chegue ao fim aumentam substancialmente. Quase 55% dos entrevistados responderam estar otimistas com esta perspectiva para o ano que vem contra apenas 29,3% para este ano.
Na avaliação do presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, “a demanda mais firme está trazendo otimismo para o final de 2020, sentimento que irá se manter no próximo ano”. “Para 2021, o otimismo da indústria paulista será ainda maior porque as empresas acreditam no crescimento da demanda”, diz Skaf.
“A preocupação se deve aos custos provocados pela escassez de muitos insumos básicos e pelo choque nos preços. Mas, acreditamos que a insuficiência dos insumos deverá se resolver nos próximos meses com a retomada da produção que já está ocorrendo”, finaliza.
A pesquisa da Fiesp ouviu 414 indústrias paulistas, no período de 07/10/2020 a 13/10/2020. Entre as em presas ouvidas, 2,4% eram de grande porte, 28,3%, médias, 66,9%, pequenas e 2,4% eram microempresas.

MEDIAÇÃO
Em razão da pandemia de Covid-19 e do aumento significativo no número de conflitos entre empresas, que impactou de forma negativa os negócios e a economia do país, a Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem Ciesp-Fiesp acaba de lançar o projeto Mediação Social. É um serviço que será gratuito até o fim do ano, para conflitos de até R$ 100 mil, voltado para empresas associadas ao Ciesp e aos Sindicatos filiados à Fiesp. A mediação se destaca por ser uma alternativa mais rápida e barata para solucionar disputas.
Pesquisa realizada pela Câmara com 275 indústrias do estado de São Paulo revela que 47,6% delas estão envolvidas com algum processo judicial e, pelo menos 28,7%, têm ações de até R$ 100 mil. Entre as disputas ainda não judicializadas, 38,5% podem ser resolvidas por intermédio da mediação. Do universo pesquisado, 67,7% são micro e pequenas indústrias, 28%, médias e 4,4%, grandes.

Sexta-feira, 30 de Outubro de 2020

Veja Também

Hospital de Paulínia faz campanha de doação de sangue nesta quarta-feira

Direção ressalta que serão tomadas medidas de contenção para evitar aglomerações; uso de máscara é ...