Comércio da RMC reage e vende 5,22% a mais em setembro, aponta Associação

No acumulado do ano, no entanto, setor faturou 18% a menos que em 2019, deixando de vender R$ 4,34 bilhões

O Comércio da RMC (Região Metropolitana de Campinas) manteve a reação em setembro, motivada pela reabertura gradual da Economia após a fase mais aguda da quarentena, e registrou volume de vendas 5,22% maior que no mês anterior. No entanto, o faturamento do setor regional no mês passado ainda foi 10,5% menor que o de setembro de 2019, quando o mundo sequer imaginava que enfrentaria a pandemia de Covid-19.
É o que apontam dados divulgados na última semana pela Acic (Associação Comercial e Industrial de Campinas), que acompanha mensalmente o desempenho do setor nas 20 cidades da metrópole – incluindo Sumaré, Hortolândia, Monte Mor, Nova Odessa e Paulínia – através de dados de consultas à Boa Vista SCPC. Além disso, “as vendas da Semana da Pátria (o 07 de Setembro) foram menores do que as do ano passado”, segundo a entidade de classe.
O Comércio regional teve faturamento estimado em R$ 2,56 bilhões no mês passado, contra R$ 2,86 bilhões em setembro de 2019 – o que resulta na queda de 10,5% no faturamento, na comparação do mesmo mês, o equivalente a R$ 301,0 milhões a menos faturados. O volume de vendas também foi 10,5% inferior ao de setembro de 2019: 716,5 mil negociações, contra 800,6 mil há um ano.
Na categoria de Bens Não Duráveis, apenas as vendas nos supermercados e hipermercados evoluíram 20,4%. Drogarias e Farmácias, que vinham com faturamento positivo, tiveram as vendas reduzidas em 1,3%, e os Postos de Combustíveis sofreram uma redução de 16,6%, apenas em setembro.
Os setores de Material de Construção (38,1%) e de Móveis e Lojas de Departamentos (3,3%) “puxaram” o crescimento das vendas na categoria de Bens Duráveis, enquanto o de Vestuário acumulou perdas de 16% no mês.
A categoria de Serviços foi o que mais sofreu: as vendas foram drasticamente reduzidas em 54,4% nos setores de Turismo/Transportes e em 34,6% em Bares e Restaurantes. Apenas o setor de Autopeças/Automotivos teve uma leve expansão de 2,50%.

ACUMULADO
Já no acumulado do ano – ou seja, na soma de janeiro a setembro –, o faturamento do Comércio da RMC é de R$ 19,8 bilhões, um desempenho 18% inferior aos R$ 24,1 bilhões faturados pelo Setor Varejista nos nove primeiros meses de 2019. Ou seja, o Comércio regional faturou, neste ano, R$ 4,34 bilhões a menos até o final do mês passado.
“Na análise feita pelo Departamento de Economia da Acic, no acumulado de janeiro a setembro de 2020 as vendas no comércio da RMC já somam perdas de R$ 4,34 bilhões”, reforçou a entidade.
O volume de vendas acumulado até o final do 3º trimestre de 2020 é ainda menor do que no mesmo período de 2019: são 5,38 milhões de vendas neste ano, contra 6,63 milhões até setembro de 2019, uma queda de 18,8%.
“Os dados da Boa Vista SCPC de setembro de 2020 indicam que o comércio da Região Metropolitana de Campinas apresentou uma elevação no volume de vendas de 5,22% quando comparado com setembro de 2020, o que demonstra que vem se recuperando bem após o impacto negativo de abril. No entanto, o faturamento de setembro de 2020 ainda foi 10,5% menor quando comparado ao mesmo mês de 2019”, apontou o economista da Acic, Laerte Martins.
“A maior flexibilização para as atividades do Comércio e de Serviços em Campinas e região, agora na fase verde do Plano São Paulo, deve contribuir para melhorar esses números. No entanto, para zerar as perdas acumuladas até aqui, o Comércio terá que movimentar nestes próximos três meses (outubro, novembro e dezembro) cerca de R$ 8,7 bilhões. Em 2019, no último trimestre, foram faturados cerca de R$ 7 bilhões. No entanto, acredito que a recuperação só virá em 2021, com a esperada vacina contra a Covid-19”, acrescentou Martins.

INADIMPLÊNCIA
Os dados de inadimplência calculados pela Acic também mostram novamente uma ligeira queda no total de carnês vencidos e não pagos há 60 dias ou mais na RMC, na comparação com 2019. Eram, em setembro, 485,8 mil consumidores inadimplentes, contra 494,3 mil no mesmo mês do ano passado, uma diminuição de 1,7%.
No entanto, como menos vendas estão sendo fechadas neste “ano da pandemia”, o total de carnês atrasados em setembro de 2020 representa uma fração muito maior do total de vendas a prazo na RMC: 16,9%. No mesmo mês do ano passado, o total de atrasados representava “apenas” 13,9% do total de carnês emitidos.

E-COMMERCE
As vendas digitais continuam impulsionando o mercado da metrópole. Associado ao delivery, o e-Commerce teve expansão de 64,1% no mês passado, elevando seu faturamento de R$ 121,8 milhões, em 2019, para R$ 199,9 milhões em setembro de 2020.

Dia das Crianças tem redução de vendas de 2,58% na RMC
As vendas do Dia das Crianças de 2020, celebrado no último 12 de outubro, sofreram redução de 2,58% na RMC, aponta a Acic, quando comparadas aos resultados obtidos na mesma “data especial” de 2019. O Comércio regional faturou R$ 416,9 milhões em presentes para as crianças em 2020, contra R$ 428 milhões em 2019.
Conforme previsto pela entidade, não houve contratação de mão de obra temporária para este ano, diferentemente de 2019, quando foram abertas 1.265 vagas no Comércio de Campinas e 2.350 no geral da RMC.
O valor do presente médio, no entanto, cresceu 2,04% em função do efeito inflacionário que provocou a elevação dos preços dos brinquedos, além do impacto da valorização do dólar nos custos dos presentes importados (cotação de R$ 5,49 por US$ 1,00). Os brinquedos mais procurados foram bicicletas, eletroeletrônicos, skates, celulares, bonecas Barbie, jogos educativos, além de vestuário.

Domingo, 25 de Outubro de 2020

Veja Também

TransJordano anuncia construção de nova sede na Área Cura, em Sumaré

Em reunião com o prefeito Luiz Dalben, empresário João Bessa adiantou que empresa deve operar ...