Marquinho, um jovem torcedor, alegre e cheio de amor pelo futebol

Marcos Vinícius “Marquinho” é um jovem de 15 anos apaixonado por esportes, em especial o futebol amador. Está sempre presente nos jogos do Santo Antônio, equipe amadora do Parque Santo Antônio, Sumaré, interior de São Paulo.
Marquinho é um menino com necessidades especiais, muito estudioso e que entende bastante de futebol e acompanha os jogos do Santo Antônio, não importa se o jogo é no bairro ou em outro lugar, o importante é estar com a galera na torcida pelo time.
O gostar de assistir os jogos fez Marquinho gostar do futebol, ceder um pouco da sua vida para aquele time, estar ali presente no campo rodeado por todos na mesma emoção, na torcida numa só vibração. Para ele isso que importa.
Perguntamos para Marquinho qual foi o jogo que marcou suas idas aos campos de futebol. “O jogo marcante foi entre Santo Antônio x América, pelas as quartas de final, foi o jogo do acesso para elite do futebol amador de Sumaré, aonde meu tio, capitão do time, Tufão, abriu o placar.”
Também perguntamos a ele se tinha feito alguma loucura pelo time. “Chovia muito, mesmo assim fui ao jogo, tentaram me colocar no banheiro para que a chuva não me molhasse, acabaram me derrubando da cadeira de rodas, foi só riso. Meu avô, Zé Nunes e o goleiro do Sol Nascente, Gleidson, se molharam junto comigo, isso foi no jogo diante do São Judas pela Copa Área Cura, no campo do Bom Retiro.”
Para mim, o meu time, é? Sensacional, batalhador e vencedor. Futebol é paixão.
Suas necessidades especiais não foram barreiras para ele jogar futebol. O amigo, Zoinho, tapeceiro do bairro, criou com duas cintas indústrias, uma espécie de mochila canguru, acoplado ao amigo Duda, Marquinho é goleiro e todo o ano participa do jogo beneficente “Goleada contra a fome, amigos do Juninho e amigos do Pretinho”, onde tem muita honra e alegria de participar. Marquinho tem olho clínico, observou que falta segurança principalmente dentro de campo, falta ambulância, ele lembra que esteve em jogo que o jogador Bagaça, do Santo Antônio, teve mal subido e não teve como receber de imediato os primeiros socorros.
Claro, que o ídolo no futebol amador é seu tio Tufão, entretanto também gosta dos jogadores Dean, Rick, ambos do Santo Antônio, Rosca, Unidos da Vila, Kabeção, do Intervale de São José dos Campos, Wesley, Santa Clara da cidade de Hortolândia. No profissional gosta do atacante Marinho, do Santos.
Marquinho no futebol profissional é torcedor do Santos Futebol Clube, no amador torce pelo Santo Antonio, mas também gosta do Unidos da Vila (Picerno – Sumaré), Santa Clara (Hortolândia), Fé & União (Hortolândia), do Intervale de São José dos Campos, Santa Rita (Leme).
Com todos a adversidades que a vida lhe impôs, Marquinho é um jovem vencedor, sua alegria e entusiasmo de torcedor, sua maneira de encarar cada dificuldade com a coragem e a certeza de que, apesar do tamanho do obstáculo, é possível de ser contornado. Lição de vida para todos.

Sábado, 5 de Setembro de 2020

Veja Também

O futebol de várzea é um importante instrumento social

Sumaré possuiu campos de futebol espalhado pelos quatro cantos da cidade principalmente na periferia onde ...