Governo do Estado atualiza classificação do ‘Plano SP’ sem regressão de regiões

Com 57,8%, média estadual de ocupação de UTIs por pacientes com coronavírus é a mais baixa desde início de retomada

O vice-governador e secretário de Governo Rodrigo Garcia apresentou na sexta-feira (14/08) a 11ª atualização de classificações regionais do Plano São Paulo de enfrentamento ao novo coronavírus e “retomada consciente” das atividades econômicas não essenciais e da mobilidade social. Pela primeira vez em três meses, nenhuma região regrediu para etapas mais restritivas, com a maioria dos municípios do Estado na “fase 3 – amarela”.
É o caso das 42 cidades da área do DRS 7 (Departamento Regional de Saúde de Campinas), incluindo Sumaré, Hortolândia, Monte Mor, Nova Odessa e Paulínia. A macrorregião havia avançado para a “fase amarela” na atualização da semana passada.
Por isso, as cidades puderam reabrir parcialmente comércios e serviços não essenciais por mais tempo (6h diárias) desde 08/08 – incluindo, pela primeira vez, atividades como praças de alimentação de shopping centers, restaurantes, salões de beleza e barbearias e academias, com horário e lotação limitados e seguindo rígidas normas de distanciamento e higiene. A quarentena está prorrogada, a princípio, até o dia 23 de agosto.
“Não tivemos, na avaliação de hoje, nenhum tipo de regressão das regiões do Estado no Plano São Paulo”, declarou Garcia, que também apontou quedas gerais nas taxas de ocupação hospitalar no Estado. “Esses resultados mantêm a estabilização conquistada em cada uma das regiões. Hoje, 84 % da população de São Paulo estão em áreas localizadas na ‘fase amarela’”, acrescentou.
A estabilidade de evolução da pandemia na maior parte do território paulista culminou no menor índice estadual de ocupação de UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) por pacientes infectados que estão em estado grave. Na semana epidemiológica compreendida entre os últimos dias 7 e 13, a ocupação hospitalar média foi de 57,8% em todo o Estado.
Nas médias regionais, a capacidade hospitalar também registrou índices considerados positivos. Em todas as 17 áreas de Departamentos Regionais de Saúde, o índice de ocupação hospitalar por pacientes graves contaminados pelo coronavírus ficou abaixo de 80%.
O Governo de São Paulo vem fazendo “investimentos robustos” nos últimos cinco meses para ampliar a capacidade hospitalar do SUS (Sistema Único de Saúde), garantir atendimento e evitar o colapso do sistema. “A ampliação do número de leitos e controle da pandemia em nosso estado continuam”, afirmou o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn.
Sem mudanças em relação à semana passada, a classificação vigente do Plano São Paulo tem apenas as regiões de Franca e Registro na “fase 1 – vermelha”, com restrição total a atendimento presencial em comércios e serviços não essenciais. Na “fase 2 – laranja”, estão as áreas de Barretos, Presidente Prudente e São José do Rio Preto, além das sub-regiões Norte e Oeste da Grande São Paulo.
A etapa amarela, que permite funcionamento restrito de bares, restaurantes, salões de beleza e academias, contempla as regiões de Araçatuba, Araraquara, Baixada Santista, Bauru, Campinas, Marília, Piracicaba, Ribeirão Preto, São João da Boa Vista, Sorocaba, Taubaté e as sub-regiões Leste, Sudeste e Sudoeste da Grande São Paulo, além da capital.
A próxima reclassificação de fases do Plano São Paulo está prevista para a próxima sexta-feira (21/08). Com a conclusão de mais um período de duas semanas epidemiológicas, a 12ª atualização poderá registrar novas progressões de fase se os índices de controle da pandemia e capacidade hospitalar se mantiverem com viés de queda na capital, interior e litoral.

Sábado, 15 de Agosto de 2020

Veja Também

BRK realiza mais uma etapa da obra de ampliação da ETA 2 nesta 3ª-feira

Intervenção vai ampliar disponibilidade de água para 190 mil moradores; 32 bairros podem ter oscilações ...