Poesia: Uma carta à alma…

Querida alma, sei o quanto clamas e choras dentro de um corpo onde não queres habitar, sei o quanto dói esse coração puro e sincero, coração bobo que ama tanto ao ponto de se despedaçar, querida alma sei que teu desejo és ser livre, pois digo e imploro sejas livre, querida alma pra que se prender assim?
Por que não voas? Tu podes voar, Deus te deu asas exclusivamente para isso, não sejas mais um pássaro engaiolado, sejas livre e sejas luz, espalhe a sua luz, pois não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte, então brilhe minh’alma, brilhe sem medo de brilhar, sejas forte, por favor, não sacrifique a ti mesma, desistindo do corpo, sei que ele és um fardo pesado, sei que muitas vezes tu e o corpo não estão de acordo, mas não desista, sonhe minh’alma, ame minh’alma, sejas livre como águia, Deus te deu asas para poderes voar, voe alto, voe longe, mas voe, sejas livre minh’alma!

Lua Fernandes
Sumaré/SP

Sábado, 1º de Agosto de 2020

Veja Também

Dica de Leitura: Mínimo Múltiplo Comum (Raquel Matsushita)

Hoje vamos conhecer um pouco mais sobre a autora Raquel Matsushita e sua obra “Mínimo ...