Indústrias

Recuperação da Indústria paulista ‘segue firme’ em junho, diz a Fiesp

Pesquisa Sensor atingiu 49,5 pontos em julho, o que indica uma possível “continuidade da retomada” no mês passado

Em junho, a Indústria da Transformação paulista, um dos mais importantes setores econômicos do Estado mais industrializado do país, manteve o processo de recuperação iniciado em maio, conforme o mais recente Levantamento de Conjuntura mensal divulgado na quinta-feira (30/07) pela Fiesp-Ciesp (Federação e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo). “A velocidade da recuperação da atividade industrial segue firme”, apontam as entidades de classe.
Segundo o levantamento, as “Vendas Reais” exibiram forte crescimento em junho, avançando 12,4% com relação a maio. As “Horas Trabalhadas na Produção” registraram aumento de 4,3% frente ao mês anterior, e o Nuci (Nível de Utilização da Capacidade Instalada) atingiu 69%, crescendo 1 p.p (ponto percentual) frente a maio. Os “Salários Reais” também apresentaram crescimento de 2,4% em junho. Todos os dados estão livres de efeitos sazonais.
As altas nos meses de maio e junho, entretanto, ainda não compensaram as perdas ocorridas em março e abril. Entre março e junho, estes indicadores apresentam os seguintes resultados somados: “Horas Trabalhadas na Produção”, queda de -19,2%; “Vendas Reais”, queda de -10,3%; “Salários Reais Médios”, queda de 9,2%; e o Nuci, queda de -6,7 p.p.

SENSOR
A pesquisa Sensor do mês de julho fechou em 49,5 pontos, na série com ajuste sazonal, resultado superior ao de junho que registrava 47 pontos. Números abaixo dos 50 pontos sinalizam piora da atividade industrial paulista para o mês corrente. Mesmo abaixo dos 50 pontos, o indicador mostra significativa evolução frente a abril, quando atingiu 34,5 pontos, o pior resultado desde janeiro de 2009.
A pesquisa Sensor no mês de julho fechou em 49,5 pontos, na série com ajuste sazonal, resultado superior ao de junho que registrava 47 pontos. Números abaixo dos 50 pontos sinalizam piora da atividade industrial paulista para o mês corrente. Mesmo abaixo dos 50 pontos, o indicador mostra significativa evolução frente a abril, quando atingiu 34,5 pontos, o pior resultado desde janeiro de 2009.
E, pelo terceiro mês consecutivo, o indicador de “Vendas” vem progredindo de maneira expressiva. Saltou de 49,9 pontos em junho para 57,0 pontos na leitura atual. Resultados acima da linha dos 50 pontos indicam aumento das vendas no período. Já o item “Mercado”, apesar do recuo de 2,8 pontos, apresentou resultado positivo no mês de julho, com 53,2 pontos, “o que indica condições de mercado favoráveis em julho”.
Assim como na leitura anterior, os níveis dos “Estoques” não sofreram grandes variações.
O indicador marcava 47 pontos e avançou para 47,7 pontos em julho. Leituras abaixo dos 50 pontos indicam níveis de estoques acima do desejado. O indicador “Emprego” foi atenuado após o crescimento apontado na última divulgação. Caiu de 51,3 pontos em junho para 50,1 pontos no mês corrente. Próximo dos 50 pontos, indica constância do nível emprego para este mês.
Apesar do avanço de 3,7 pontos no mês, o componente “Investimentos” da pesquisa Sensor “permanece no campo de retração”. O índice fechou em 39,5 pontos, o que indica que a retomada do investimento acontecerá somente após maiores aumentos das vendas.

Sexta-feira, 31 de Julho de 2020

Veja Também

Covid impõe Dia dos Pais com menos abraços àqueles na ‘linha de frente’

Trabalhadores que continuam atuando contra a Covid-19 reforçam cuidados para evitar levar vírus “para dentro ...