80,6% das indústrias são afetadas pela pandemia, aponta o Ciesp Campinas

Regional da entidade de classe apresentou na terça-feira, dia 21/07, o resultado da mais recente pesquisa online junto ao setor

A Regional Campinas do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) apresentou na terça-feira (21/07) o resultado de uma pesquisa online indicando que, em junho, 80,6% das empresas associadas à entidade foram afetadas pela crise provocada pela pandemia da Covid-19. Neste balanço de quatro meses de pandemia, o diretor do Ciesp Campinas, José Nunes Filho, afirmou que os mais afetados foram os segmentos têxtil, eletroeletrônicos, automotivo e de bens de capital, que estão entre os mais representativos da Indústria regional.
Apenas 19,3% das empresas responderam que não foram tão afetadas pela crise – mais especificamente, aquelas dos segmentos farmacêutico, de alimentos e fabricantes de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), todos considerados essenciais durante a atual crise sanitária e de Saúde Pública.
No geral, os mesmos 80,6% dos empresários do setor apontaram quedas nas vendas. A pesquisa de sondagem industrial do Ciesp Campinas também apontou que 77% dos respondentes tiveram queda na demanda, principalmente em função da diminuição da atividade comercial, explicou o diretor da entidade – em maior ou menor grau, o Comércio e os Serviços não essenciais estão total ou parcialmente fechados na região desde 23 de março, quando começou a quarentena no Estado de São Paulo.
Por isso, 70,9% das indústrias respondentes tiveram impactos na produção, com 19,3% tendo de interromper totalmente as máquinas e as demais 51,1%, reduzir o volume de produtos.
“Medidas de contenção de gastos e reavaliações estratégicas foram adotadas por 74,1% das empresas associadas ao Ciesp Campinas para pagamentos de impostos, principalmente os estaduais e municipais, já que os federais sofreram algum tipo de prorrogação ou facilidades para pagamento”, acrescentou Nunes.

PERSPECTIVAS
Dos respondentes à pesquisa da entidade de classe, 45,1% dos associados avaliaram que a retomada da atividade empresarial deverá ocorrer ainda em 2020, e 51,6% somente no próximo ano.
Mais especificamente, a partir do momento em que “terminar” a crise da Covid-19, para 19,3% a retomada do pleno desempenho das atividades produtivas deverá ocorrer em até três meses, para 41,9% isso deve acontecer no período de quatro a seis meses, e para 38,7% somente após doze meses ou mais.
Por isso, o diretor José Nunes Filho frisou que, nessa nova pesquisa, 87,1% dos associados afirmaram que “a entidade deve continuar a reivindicar junto ao governo a reabertura responsável dos negócios, novas linhas de crédito e prorrogação do pagamento de impostos”.

BALANÇA COMERCIAL
O diretor do Departamento de Comércio Exterior do Ciesp Campinas, Anselmo Riso, informou que as exportações foram bastante afetadas em junho, com queda de 23,6% em relação ao mesmo mês do ano passado. Nas importações, o recuo foi de 10,9% em junho de 2020, comparando-se com o mesmo mês de 2019.
As exportações em junho de 2020 foram de US$ 178,6 milhões. Já as importações em junho de 2020 foram de US$ 845,5 milhões. A corrente de Comércio Exterior (a soma das exportações e importações da região de Campinas) em junho foi de US$ 1,024 bilhão – 11% menor que o registrado em junho de 2019.
A Regional Campinas do Ciesp abrange 34 empresas de Sumaré, 19 de Hortolândia e 31 de Paulínia, que são cidades da área de cobertura do Jornal Tribuna Liberal. Atuante desde 1949, o Ciesp Campinas conta atualmente com quase 500 indústrias associadas, distribuídas em 19 municípios. O faturamento conjunto dessas empresas associadas é de R$ 41,5 bilhões ao ano, e elas empregam 98,9 empregados.

Quarta-feira, 22 de Julho de 2020

Veja Também

Covid impõe Dia dos Pais com menos abraços àqueles na ‘linha de frente’

Trabalhadores que continuam atuando contra a Covid-19 reforçam cuidados para evitar levar vírus “para dentro ...