GCMs de Sumaré e Hortolândia fazem ações contra aglomerações e ‘fluxos’

Em Sumaré, foco foram áreas que concentram bares e lanchonetes; Hortolândia fiscalizou pontos de aglomeração e som alto

Entre sexta-feira e domingo (26 e 28 de junho), dezenas de estabelecimentos comerciais foram orientados durante a “Operação Sossego Noturna” realizada pela GCM (Guarda Civil Municipal) de Sumaré, em conjunto com a Polícia Militar. A ação aconteceu em todas as regiões do Município e teve por objetivo inibir a perturbação e orientar a população, especialmente comerciantes, sobre a importância do cumprimento do Decreto estadual (nº 64.994).
Os trabalhos são parte das medidas preventivas de combate à disseminação da Covid-19. As blitze aconteceram em basicamente bares e lanchonetes do Matão e da Área Cura, Maria Antonia, Dall’Orto e Nova Veneza, Centro e Picerno, e resultaram na notificação de alguns deles.
“Além das ações diárias, temos realizado essas blitz noturnas visando orientar os comerciantes. Os estabelecimentos irregulares são notificados e fechados. A partir daí os proprietários serão monitorados para o devido cumprimento das medidas”, explicou a comandante da GCM, Simone Nery.
Uma força-tarefa das equipes municipais da Guarda, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária e do Setor de Fiscalização têm intensificado as ações junto aos estabelecimentos comerciais também no período diurno, reforçando a necessidade de funcionamento entre 10h e 14h, conforme determina o decreto estadual. Nos últimos dias foram visitados cerca de 300 comércios em todas as regiões da cidade, como parte do Plano Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus.
“Para avançarmos de fase nesse plano de flexibilização do Estado e retomar a normalidade, temos que seguir os protocolos previstos em decreto, dentro das normas sanitárias e de proteção. Esse momento é difícil para todos, mas precisamos estar juntos para vencer essa batalha. Reforçamos nosso apelo à população, para que saia de casa apenas em casos extremos. Vamos preservar a nossa saúde e a do próximo”, disse o prefeito Luiz Alfredo Dalben (PPS).
Também conhecida como Operação Bairro Seguro, a “batida policial” da Guarda Municipal tem o intuito de inibir e coibir possíveis delitos. Essas ações preventivas ocorrem em vários pontos do Município, de acordo com os índices de cada região, e resultam em números estatísticos positivos.

HORTOLÂNDIA
Já em Hortolândia, a intenção foi evitar aglomeração de pessoas e perturbação de sossego. Equipes da Guarda e da fiscalização da Prefeitura, com apoio da PM, realizaram de sexta-feira a domingo a “Operação Saturação” em diversos pontos da cidade. De acordo com a Secretaria de Segurança, foram montadas “operações-surpresa” e comércios foram fiscalizados. Com o apoio da PM, houve também autuações de trânsito e remoções de veículos que descumpriam o Código Brasileiro de Trânsito.
“Com esta operação, evitamos, neste final de semana, “fluxos” e bailes irregulares que acontecem em espaços públicos do município. Foram registradas 62 ocorrências ligadas à perturbação de sossego e aglomeração de pessoas, nestes três dias. No final de semana, passado foram 77 registros deste tipo”, explica a comandante da Guarda Municipal, Michele Cardena Quinete.
Segundo a Secretaria de Segurança, a Guarda Municipal atendeu, desde janeiro deste ano, 1.612 chamadas ligadas à perturbação de sossego e aglomeração de pessoas. Os maiores números de denúncias e ocorrências aconteceram durante os meses de pandemia do coronavírus.
“Todas essas ações em conjunto resultaram na tranquilidade em toda a cidade, neste final de semana. Continuaremos efetuando operações deste tipo mais vezes e em diferentes pontos da cidade para evitar aglomerações de pessoas, contravenções e perturbação do sossego público”, afirma Michele.
O munícipe que flagrar essa situação pode denunciar os infratores. Eles podem ser levados à delegacia. Denúncias que caracterizem aglomeração de pessoas ou perturbação de sossego podem ser feitas à corporação, a qualquer hora do dia ou da noite, pelos telefones 153 ou 0800 111-580.

Terça-feira, 30 de Junho de 2020

Veja Também

MP quer que Paulínia dê acesso e igualdade de tratamento de Covid

Os promotores de Justiça Verônica Silva de Oliveira e André Perche Lucke recomendaram à Prefeitura ...