Sumaré tem‘estoque zero’ de vacina de meningite; 2 mil bebês aguardam

Secretaria Estadual de Saúde promete enviar nova remessa da vacina para a cidade apenas no próximo dia 29 de outubro

A Rede Básica de Saúde de Sumaré encontra-se com “estoque zerado” da vacina contra meningite. Cerca de duas mil crianças aguardam para atualizar a carteirinha, com a dose já atrasada. A promessa da Secretaria Estadual de Saúde, segundo a Prefeitura, é enviar uma nova remessa da vacina para a cidade apenas no próximo dia 29 de outubro. O próprio Ministério da Saúde, que adquire e distribui as doses para os estados (que ficam responsáveis por repassá-las aos municípios) admitiu ontem que vem enfrentado problemas com fornecedores.
Outras cidades da RMC (Região Metropolitana de Campinas), como Americana e Santo Antonio de Posse, também estariam com o mesmo problema. A Prefeitura de Indaiatuba, por exemplo, recebeu menos da metade das doses necessárias e, por isso, teve que priorizar a vacinação dos recém-nascidos até três meses.
“No momento, Sumaré encontra-se com estoque zerado da vacina contra meningite, com previsão para receber dia 29 de outubro, segundo o Governo do Estado. A última remessa veio em 27 de setembro, quando foram recebidas 680 doses. Devido aos problemas no fornecimento e distribuição, a Vigilância Epidemiológica de Sumaré estima uma demanda de 2.000 doses no momento”, explicou a Secretaria Municipal de Saúde. “Lembramos que os municípios apenas aplicam as doses, a responsabilidade pela produção e distribuição são dos governos Federal e Estadual”, completo o órgão local.
Já o Ministério da Saúde – que em julho já havia prometido para agosto deste ano a regularização do fornecimento do produto em todo o país – apontou nesta semana que, “após atrasos na entrega pelo laboratório produtor, a Funed (Fundação Ezequiel Dias), a distribuição da (vacina) meningocócica C está sendo normalizada”. De janeiro a outubro deste ano, segundo o órgão federal, a distribuição para todo o país totaliza 7,1 milhões de doses dessa vacina, sendo 1,4 milhão somente para o Estado de São Paulo.
“É importante ressaltar que o Ministério da Saúde, por meio Cenadi (Central de Armazenagem e Distribuição de Insumos Estratégicos), envia mensalmente doses de vacinas aos estados, que são responsáveis pela distribuição aos municípios, de acordo com as necessidades locais. Por fim, os municípios são responsáveis pelo abastecimento das salas de vacinação. Para municípios que estão com estoque reduzido, o Ministério da Saúde orienta a realização do agendamento da vacinação, de acordo com a disponibilidade das doses”, acrescentou a pasta.

OUTRO LADO
O Ministério da Saúde informou ainda que realizou uma consulta à Opas (Organização Pan-americana de Saúde) sobre a possibilidade de adquirir esta vacina de um produtor internacional. “Foi informado pela Opas que não há outro laboratório com capacidade de produção para atender a demanda do Brasil”, completou.
Já Secretaria Estadual de Saúde, responsável pelo DRS-7 (Departamento Regional de Saúde de Campinas), informou que “a diretriz do SUS (Sistema Único de Saúde) define que a aquisição e a distribuição de vacinas são de responsabilidade do Ministério da Saúde. O Estado apenas redistribui aos municípios”.
“Neste ano, até o momento, foram solicitadas pela pasta ao Ministério cerca de 2,5 milhões de doses da vacina meningocócica C. Porém, foram enviadas até o momento 1,38 milhão, o que representa 55% do total, resultando na necessidade de redistribuição parcial em âmbito estadual. À medida que novos quantitativos sejam enviados pelo Ministério, outras doses poderão ser disponibilizadas aos municípios. Sumaré, Americana e Santo Antonio da Posse receberam doses nos últimos dias e são responsáveis por redistribuir nos postos”, destacou a pasta estadual.

Veja Também

‘Taxa do Lixo’ de Hortolândia vai ser cobrada junto às contas da Sabesp

Projeto de Lei de autoria do Poder Executivo que autoriza a cobrança “terceirizada” da taxa ...