Indústria da Regional Campinas da Fiesp gera 400 novos empregos em setembro

No ano, as 19 cidades já geraram aproximadamente 2.150 postos de trabalho, aponta Pesquisa de Nível de Emprego mensal

A oscilação nas contratações e demissões de colaboradores pelas indústrias da região continua. Após um resultado positivo em julho, quando criou mil vagas, e um resultado ruim em agosto, quando fechou 350 postos de trabalho com carteira assinada, o setor voltou a registrar um saldo positivo em setembro – gerando 400 empregos nas 19 cidades atendidas pela Diretoria Regional da Fiesp/Ciesp (Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de Campinas – uma área que inclui Sumaré, Hortolândia, Paulínia e outros 16 municípios. Assim, a região de Campinas foi responsável por praticamente 80% do resultado positivo da Indústria de todo o Estado de São Paulo, que gerou 500 vagas.
É o que mostra a mais recente Pesquisa de Nível de Emprego, levantamento feito e divulgado pela Fiesp/Ciesp nesta semana. “O nível de emprego industrial na Diretoria Regional do Ciesp em Campinas (região composta por 19 municípios) apresentou resultado positivo no mês de setembro de 2018. A variação ficou em 0,25%, o que significou um aumento de aproximadamente 400 postos de trabalho”, indicaram as entidades de classe.
Ainda segundo a Fiesp/ Ciesp, com o resultado positivo de setembro, “temos no ano um acumulado de 1,37%, representando um aumento de aproximadamente 2.150 postos de trabalho. Nos últimos 12 meses, o acumulado é de 1,36%, representando um aumento de aproximadamente 2.150 postos de trabalho”. O resultado de setembro foi também o sexto positivo no ano, contra três meses em que houve perda de vagas (maio, junho e agosto).

POR SETORES
O nível de emprego industrial na área de atuação da Diretoria Regional do Ciesp em Campinas no mês de setembro de 2018 foi influenciado pelas variações positivas dos setores de Produtos de Metal, exceto Máquinas e Equipamentos (2,77%), Equipamentos de Informática, Produtos Eletrônicos e Ópticos (2,74%), Móveis (2,15%) e Outros Equipamentos de Transporte (exceto Veículos e Autopeças), com 1,54%.
Já os setores que mais fecharam empregos formais foram os de Produtos de Madeira (-3,93%), Confecção de Artigos do Vestuário e Acessórios (-2,51%) e Impressão e Reprodução de Gravações (-2,37%). No total, dos 22 setores industriais avaliados pelo estudo, 14 tiveram variação positiva (criaram vagas), e oito, variação negativa (fecharam vagas).

NO ESTADO
A Indústria Paulista gerou 500 vagas de emprego em setembro (0,01%). O resultado para o mês, na série sem ajuste sazonal, mostra estabilidade no saldo de vagas pelo terceiro mês consecutivo. Apesar de ser pouco expressivo, esse número é superior à média histórica para o mês entre os anos de 2014 e 2017 – em que foram encerrados, em média, cerca de 9 mil postos de trabalho.
No acumulado do ano, o saldo do emprego na indústria do Estado segue positivo em 13,5 mil vagas, alta de 0,62%. Já com o ajuste sazonal, o resultado para o mês ficou estável em -0,06% e recuou -0,40% no fechamento do 3º trimestre. No Estado como um todo, entre os 22 setores acompanhados pela pesquisa para o mês de setembro, 8 ficaram positivos, 5, negativos e 9, estáveis.
Para José Ricardo Roriz Coelho, 2º vice-presidente da Fiesp, “os empresários não têm perspectivas de investimentos em razão da indefinição do quadro político, o que deixa o emprego em compasso de espera”. Avaliando ainda a atividade econômica, que segue sem grandes mudanças desde o início do ano, Roriz projeta para o encerramento de 2018 uma baixa de 35 mil postos de trabalho na Indústria Paulista.

CARLOS BARBOSA, RS, BRASIL, 03.12.12: Visita a fábrica da Tramontina, em Carlos Barbosa, durante Semana de Interiorização do Governo do Estado do RS. Foto: Pedro Revillion/ Palácio Piratini

Veja Também

Quem vai ao Litoral deve se vacinar contra febre amarela, alerta Saúde

Doses gratuitas são ofertadas em postos de vacinação e devem ser tomadas dez dias antes ...