Sede de associação protetora de animais de Nova Odessa sofre danos pelas chuvas

Abrigo da AAPRA para cães ficou alagado; associação precisa de doações de cobertores, toalhas e tapetes higiênicos

A sede da AAPRA (Associação Arca Protetora dos Animais) de Nova Odessa ainda sofre com a forte chuva que caiu na última quarta-feira (03). O abrigo, onde ficam os cães, foi invadido pela forte enxurrada e atingido por granizos. Os 75 cães que estão no local tiveram que ser colocados em cima de mesas ou camas. Parte da cobertura ficou comprometida pelos galhos que caíram. Todos os cobertores que a associação tinha já foram usados. Os voluntários também precisam de doações de toalhas e fraldas higiênicas.
A presidente da associação Izabel Xavier, que está se recuperando de um resfriado depois de toda essa correria, se lembra dos momentos de desespero. “A chuva foi muito forte. Os galhos de árvores quebraram uma parte do abrigo, onde ficam os cães. Além da enxurrada que invadiu o espaço, onde eles ficavam. Pedi a ajuda dos voluntários para socorrer os cães. Ainda por cima, ficamos sem energia elétrica e por isso não tivemos condições de secá-los”, comentou Izabel.
Segundo ela, qualquer tipo de doação será muito importante. “Com a ajuda de voluntários conseguimos fazer a limpeza, mas usamos tudo o que tínhamos. Caso alguém possa fazer doações de cobertores, tapetes higiênicos ou toalhas nos ajudarão bastante”, completou a presidente da AAPRA.
Além dos cães que cuida na sede, Izabel fornece ração para outros 130 cachorros que estão nas ruas, pois não tem condições de abrigá-los. “A luta dos protetores é diária. Fora os nossos custos com ração, medicamentos e despesas veterinárias que são muito altas. Também precisamos de doação, como sempre. Só assim a gente consegue fazer alguma coisa, mas infelizmente o que recebemos não é suficiente. Nossa conta sempre fica no vermelho”, completou Izabel.

ABANDONO
Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o Brasil tem 30 milhões de animais vivendo nas ruas. Mas nem sempre, eles não tiveram um lar. Muitas vezes, teve dono que se mudou e deixou o pet para trás, ou simplesmente abandonaram cães e gatos perto de casas de protetores ou das ONGs.
A posse irresponsável acaba piorando ainda mais a situação de protetores que não conseguem atender todos os animais e são obrigados a dar prioridades para aqueles que foram atropelados ou doentes. “Os custos com castrações, despesas com remédios e veterinários são bancados pela ONG que vive de doações e eventos para arrecadação de fundos”, comentou Izabel.
A associação tem contado com as redes sociais para ajudar a encontrar um novo lar para as mascotes. Como os casos de animais que foram resgatados nas ruas ou após um atropelamento. Recentemente, a AAPRA realizou uma “Noite do Flashback” para conseguir mais recursos e também participa de eventos como ação entre amigos, festas juninas, entre outras. Quem quiser conhecer um pouco mais da associação pode acessar a fanpage www.facebook. com/aapraassosiacaoarca, ou no caso de doações deve entrar em contato com Izabel pelo telefone (19) 99734-7968.

Veja Também

Anhanguera ‘troca’ inscrição em seu vestibular pela doação de agasalhos

Neste sábado (22/06), o campus de Sumaré da Faculdade Anhanguera realiza mais uma edição de ...