Após 5 meses de queda, confiança do consumidor volta a crescer na região

Levantamento do SindiVarejista aponta que, em agosto, o indicador registrou 99,6 pontos, superando os meses anteriores

Após uma série de cinco quedas, o ICC (Índice de Confiança do Consumidor) voltou a subir em agosto na RMC (Região Metropolitana de Campinas) e registrou leve alta de 0,9% na comparação com julho. No mês passado, o indicador registrou 99,6 pontos, superando o dado de julho, que registrou 98,7 pontos. Em relação ao mesmo período do ano passado, houve queda de 10% – naquela ocasião, o ICC marcava robustos 111,5 pontos.
O ICC é elaborado mensalmente pelo SindiVarejista de Campinas e Região em parceria com a FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo). A escala de pontuação varia de zero (“pessimismo total”) a 200 pontos (“otimismo total”).
Agosto foi também o terceiro mês seguido em que o índice da regional de Campinas ficou abaixo dos 100 pontos e ainda na esfera negativa – em maio de 2018, o índice era de 101,5 pontos. A média do ano, até aqui, é de 104,6 pontos. Em todo o ano passado (2017), a média do ICC da região foi de 108,7.

QUESITOS
Os dois quesitos que compõem o indicador tiveram resultados opostos na passagem de julho para agosto. O ICEA (Índice das Condições Econômicas Atuais) registrou alta de 17%, ao passar de 43,3 pontos em julho para 50,8 pontos em agosto. Em relação a agosto do ano passado, houve elevação de 29,6 pontos ou alta de 139%.
Já o IEC (Índice das Expectativas do Consumidor) apresentou redução de 2,5%, ao passar de 135,6 pontos em julho para 132,2 pontos em agosto. No comparativo anual, o índice ainda registrou queda de 23%.
Segundo a presidente do SindiVarejista, Sanae Murayama Saito, para os próximos meses as pessoas continuam cautelosas com os gastos, apesar de o índice estar um pouco melhor em relação aos últimos meses.
“Após dois meses de maior preocupação em decorrência da greve dos caminhoneiros, os consumidores voltam a dar sinais de retomada da confiança, mesmo que de forma lenta. Porém, somente os níveis baixos de juros e inflação não são suficientes para elevar a disposição de consumo. Enquanto a variável do emprego não reagir, dificilmente o indicador avançará de forma consistente num novo ciclo de alta”, explicou a presidente.
“E para gerar empregos, é necessária a volta da confiança dos empresários, para que eles possam investir. Neste momento, o quadro de incerteza política limita a capacidade dos empregadores de enxergar mais a longo prazo e, portanto, sem previsibilidade e clareza, todos ficam esperando um momento mais adequado de investir nos negócios, mantendo, assim, um ritmo mais fraco da economia”, finalizou.

Veja Também

Quem vai ao Litoral deve se vacinar contra febre amarela, alerta Saúde

Doses gratuitas são ofertadas em postos de vacinação e devem ser tomadas dez dias antes ...