Polícia apreende explosivos e prende casal no Jardim Minesota, em Sumaré

Um casal foi preso acusado de posse de arma de uso restrito; suspeitos serão investigados em supostas ações em roubos a banco, ou carros-forte

A Polícia Militar apreendeu na tarde de quarta-feira, 27 de novembro, em uma residência no Jardim Dom Bosco, em Sumaré, 288 cartuchos de emulsão explosiva, 19 espoletas com detonadores, estopim pirotécnico de segurança, cinco cartuchos calibre 12 intactos, giroflex (semelhante os equipamentos usados em viaturas policiais), radiocomunicador de viatura, touca ninja, um par de botas, dois distintivos de agente de escolta e vigilância e funcional de vigilante. O vigilante S.M.M., de 41 anos, e a sua companheira, a atendente E.M.L., de 20 anos, foram presos acusados de posse de arma de uso restrito. A mulher foi levada para a Cadeia de Monte Mor e o marido para a Cadeia de Sumaré. Os dois foram detidos até serem apresentados às respectivas audiências de custódia. A Polícia Civil vai apurar se o casal estaria envolvido em roubos a bancos ou carros-fortes, com uso de explosivo.
Segundo a PM, por volta das 15h30 de quarta-feira (27), os policiais faziam patrulhamento no Jardim Minesota, quando avistaram o casal, que ocupava uma caminhonete Mitsubishi L200 Triton, com as mesmas características de um veículo que teria sido usado para fuga de assaltantes de uma farmácia na região do Matão, no dia 19 de novembro deste ano. Os suspeitos foram abordados e identificados. Questionado sobre a suposta participação no roubo recentemente, o vigilante negou o seu envolvimento, e teria permitido que os policiais fossem até a sua residência, no Jardim Dom Bosco, também em Sumaré. No interior do imóvel, os PMs teriam encontrado cinco munições de calibre 12 e uma bolsa com R$ 109,00 em moedas. Sob a cama do casal havia uma mochila com explosivo. Já no quarto, os policiais encontraram uma caixa com o restante da emulsão explosiva, semelhante às usadas em ações criminosas contra bancos e carros-forte. Os policiais também apreenderam coldre, giroflex, carteira de vigilante em nome do suspeito, luneta e placas de veículos. Ele teria informado que o material pertencia a um conhecido, que reside no Jardim Bom Retiro. Uma equipe da PM foi até o endereço informado, mas a casa estava vazia. A equipe antibomba do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) da Polícia Militar de São Paulo esteve na casa para fazer a retirada dos explosivos e dar destinação específica aos artefatos.
Segundo o boletim de ocorrência, questionada pelos policiais, a atendente teria informado que estava brigada com o seu companheiro e que havia retornado para a sua casa na semana passada. Ela alegou que desconhecia a existência dos apetrechos no imóvel.
Durante averiguação, os policiais também confirmaram que as placas da caminhonete, usada pelo casal, estava adulterada. No entanto, ao realizarem uma pesquisa na numeração foi constatado que o veículo tinha queixa de furto. De posse das informações, ambos foram conduzidos ao Plantão Policial, onde prestaram depoimento ao delegado Marcelo Moreschi Ribeiro e, em seguida, encaminhados às respectivas unidades prisionais.

Sexta-feira, 29 de Novembro de 2019

Veja Também

Adolescentes de 14 e 15 anos são aliciadas para o tráfico de drogas

Menores foram apreendidas em abordagem da GCM no Jardim Amanda, em Hortolândia; rapaz de 19 ...