Um pacto pelo emprego no Estado de São Paulo

Os números são assustadores. Os últimos dados do IBGE, do final de julho, são de 13 milhões de desempregados no Brasil, ou 12,4% da População Economicamente Ativa. Um pouco melhor que os 13,1% do primeiro trimestre do ano, mas ainda assustador.
Um pânico para os pais e mães de família que, sem ter onde trabalhar, não têm como alimentar os filhos e outros parentes, como é o caso em muitas situações. Sem emprego o cidadão e a cidadã ficam com a autoestima muito abalada.
O que acontece com o desemprego é, também, a alimentação de um círculo vicioso desalentador para a economia. Sem salário a pessoa não compra e, sem ter quem compre, o comércio definha e demite. Isto significa que a indústria também demite, pois não tem para quem vender seus produtos no varejo.
O Brasil está patinando no desemprego e um dos resultados é a tensão social e a violência como um dos impactos mais indesejados. Foram 63.880 mortes por homicídio em 2017, um recorde histórico. Sete assassinatos por hora, um horror. Números superiores aos de muitas guerras.
É preciso dar um basta nessa situação e é para já. É urgente que os candidatos a presidente e também aos governos estaduais tenham programas muito consistentes e realistas de combate ao desemprego de modo absolutamente prioritário.
O mesmo deve ser dito em relação ao estado de São Paulo. São 13,5 milhões de desempregados em território paulista, correspondendo a 14% da força de trabalho, índice superior à média nacional.
No estado mais rico e desenvolvido do país, 3,5 milhões de desempregados, quase 25% dos desempregados em todo Brasil! É fundamental que todas as forças do estado de São Paulo estabeleçam com urgência um Pacto pelo Emprego. Um conjunto de ações para a criação imediata de emprego para movimentar a economia, em um círculo virtuoso de produção e geração de renda. Multiplicação de frentes de trabalho, maior incentivo às startups, democratização no acesso a cursos técnicos – são muitas ações que podem ser feitas.
Uma das alternativas imediatas seria revitalizar os cerca de 80 aeroportos de porte pequeno e médio existentes no interior paulista, para que sejam capacitados a também possibilitar o transporte de cargas. São 80 polos regionais que podem acelerar o transporte aéreo de cargas, melhorando a logística e cortando custos, como consequência da descentralização das operações. Hoje, de cada 10 quilos de cargas transportadas no país, apenas o equivalente a 400 gramas são transportadas por via aérea.
Desde 2011, por exemplo, existe um projeto de transformação do Aeroporto Moussa Tobias, em Bauru, em uma plataforma logística na região central do estado. Mas o projeto ainda não foi concretizado, em prejuízo de centenas de empresas de Bauru e região que encontram muitas dificuldades no escoamento de suas mercadorias. Com os custos de transporte maiores, não podem contratar mais gente e assim por diante.
Criar emprego é hoje prioridade absoluta no Brasil e também no estado de São Paulo. Não podemos perder mais tempo. É hora de arregaçar as mangas e pensar no futuro de nosso país e do povo paulista. Basta acreditar e ter vontade política que dá para fazer.

Veja Também

Nisfram participa do 6º Fórum Inclusão de PCDs e do 1º Fórum da Diversidade

Evento estadual no dia 28 é voltado para troca de experiências sobre a inclusão de ...