Presidente da Câmara pede mais vagas no Estadual para pacientes de Sumaré

Em Moção, Willian Souza cobrou também melhorias no atendimento do Hospital Estadual de Sumaré

O presidente da Câmara Municipal de Sumaré, vereador Willian Souza (PT), quer que sejam ampliadas as transferências de pacientes do próprio município para o HES (Hospital Estadual de Sumaré Doutor Leandro Franceschini), situado na Avenida da Amizade, em Nova Veneza. Como se trata de uma unidade de referência regional (e não um hospital de “portas abertas”), as vagas no Estadual são “distribuídas” para pacientes de diversas cidades, através do sistema da CROSS (Central de Regulação e Oferta de Serviços de Saúde) da área atendida pelo DRS-7 (Departamento Regional de Saúde de Campinas).
O pedido foi formalizado através de uma Moção de Apelo endereçada ao governador do Estado, João Doria (PSDB), ao secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann Ferreira, ao diretor-superintendente do Hospital Estadual, Maurício Wesley Perroud Júnior, e ao deputado estadual Dirceu Dalben (PL). Após ser discutida pelos vereadores, a moção foi aprovada com 18 votos favoráveis na sessão ordinária da última terça-feira (20/08).
De acordo com o documento, “embora o Hospital Estadual seja referência de atendimento para toda a RMC (Região Metropolitana de Campinas), o serviço prestado à população de Sumaré tem deixado a desejar”. O vereador aponta que “a situação é agravada pelo mau funcionamento da CROSS, que, por conta da demora, tem deixado pessoas com risco de morte na espera por vagas”.
“Nas últimas semanas, cresceu exponencialmente o número de reclamações de pacientes que aguardam dias e até semanas para conseguir uma transferência. Esta situação causa risco de morte a quem necessita de atendimento e tratamento intensivo. Estamos diante de um sistema desumanizado, que trata os pacientes como meros números”, ressalta Willian Souza.
Segundo o parlamentar, “a demanda elevada das cidades vizinhas tem prejudicado a assistência aos moradores de Sumaré, além de impedir o bom funcionamento das duas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) 24h da cidade, que ficam sobrecarregadas de pacientes que têm direito ao atendimento intensivo no Hospital Estadual”.
O vereador acredita que “esse sistema (da CROSS) precisa urgentemente ser revisto e passar a levar em conta o fator humano e a necessidade dos habitantes de Sumaré em receber atendimento rápido no hospital, instalado em uma área cedida pelo município no passado”. “Faltam leitos, faltam médicos e falta valorização dos profissionais que ali trabalham e dedicam a vida”, alertou o petista.

OUTRO LADO
Questionadas sobre a situação apontada pelo vereador, bem como sobre o pedido de destinação de mais vagas para moradores da cidade, a Secretaria Estadual de Saúde informou apenas que “o Hospital Estadual de Sumaré é referência em média e alta complexidade, cabendo às Unidades Básicas o atendimento inicial”. “Por ser um hospital de abrangência regional, atende paciente da microrregião de Americana. Ainda assim, 65% dos atendimentos correspondem a pacientes de Sumaré, cujos residentes equivalem a 26% da população da área de cobertura da unidade”, garantiu a pasta.
O Hospital Estadual de Sumaré atende de forma referenciada, recebendo pacientes encaminhados por unidades de emergência, como Samu e Resgate, por exemplo, e encaminhados pela CROSS. A CROSS é um sistema online que funciona 24 horas/dia e busca vagas em serviços SUS de referência, no local mais próximo com disponibilidade e capacidade para atender cada caso, priorizando os mais graves e urgentes. “A ferramenta contribui para otimizar e dar transparência aos fluxos, além de auxiliar na dinâmica dos serviços para atendimento aos casos que demandam atendimento especializado”, completou a Saúde estadual.

Inaugurado em 2000, Hospital tem atendimento regionalizado
O Hospital Estadual Sumaré Dr. Leandro Franceschini é uma unidade hospitalar de referência mantida pelo Governo do Estado e foi inaugurado em setembro de 2000 para o atendimento da população de microrregião de Campinas. Mantida pela Unicamp através da Funcamp, a unidade realiza cirurgias e exames de média alta complexidade em pacientes encaminhados por Unidades Básicas de Saúde e Ambulatórios de Especialidades de cidades como Sumaré, Hortolândia, Monte Mor, Nova Odessa, Santa Bárbara d’Oeste e Americana.
Considerado um dos maiores hospitais da Região Metropolitana de Campinas, o HES conta com 260 leitos distribuídos em um prédio de sete andares com 18.192 metros quadrados. O hospital realiza uma média de 8,5 mil cirurgias, 80 mil consultas e 265 mil exames por ano, além de internações, atendimentos de urgência, partos de alto risco e exames laboratoriais e de imagem.

Domingo, 25 de Agosto de 2019

Veja Também

Professora da Anhanguera dá dicas para atrair mais vendas na ‘Semana do Cliente’

Tessa Cristina Coltro enfatiza as estratégias de Marketing para atrair o consumidor e potencializar as ...