Asfalto na Ponte Estaiada está pronto, informa a Prefeitura de Hortolândia

Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos ainda prossegue com obras de ajuste na cabeceira do Jardim Novo Ângulo

A obra de asfalto na Ponte da Esperança (ou “Ponte Estaiada”) foi concluída nesta semana. Construída pela Prefeitura de Hortolândia para integrar as regiões Leste (Jardim Novo Ângulo) e Oeste (Jardim Amanda) da cidade, a estrutura faz parte do traçado do Corredor Metropolitano Noroeste Vereador Biléo Soares, do Transporte Coletivo, em implantação pelo Governo do Estado. Após concluir a pavimentação, a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), responsável pela obra do corredor expresso, trabalha no ajuste da cabeceira pelo acesso no Jardim Novo Ângulo. A ponte tem previsão de ser liberada para a passagem de veículos em maio.
A obra do Corredor Metropolitano e a liberação da Ponte da Esperança para o tráfego de veículos são ações que fazem parte do PIC (Programa de Incentivo ao Crescimento), iniciativa que prevê mais de 100 intervenções e serviços que promoverão o desenvolvimento urbano, ambiental, social e humano para que Hortolândia cresça com planejamento e sustentabilidade nos próximos 30 anos.
Além desta obra, a Prefeitura acompanha o andamento dos trabalhos da EMTU na Avenida Antônio da Costa Santos, que seguirá do Jardim Nova América pelo Parque Peron, sentido Rodovia Jornalista Francisco Aguirre de Proença (SP-101). A partir do Parque Peron, o traçado do Corredor Metropolitano segue pelo bairro Chácaras Nova Boa Vista, até o km 5 da SP101, onde a concessionária Rodovias do Tietê implanta um dispositivo de acesso ao corredor expresso e à Ponte da Esperança. Quando todas as etapas estiverem prontas, o Corredor Metropolitano proporcionará a ligação viária de Americana até Campinas.
O Estado investe R$ 58,2 milhões nas obras em Hortolândia, que incluem a interligação da Avenida Olívio Franceschini com a ponte; o viário da ponte até a SP-101, com duas alças de acesso do Corredor à rodovia, nos sentidos Monte Mor e Campinas; duas estações de transferência nos bairros Peron e Rosolen; cinco estações de embarque e desembarque; além de um CCO (Centro de Controle Operacional), na Avenida Olívio Franceschini; e de um viaduto na SP-101, na altura do Jardim Rosolen.

Quinta-feira, 18 de Abril de 2019

Veja Também

Barilon é denunciado por arquivar pedido de cassação de Carol Moura

Um dos autores do pedido de comissão processante contra a vereadora entrou na Justiça contra ...